Holandês indemnizado por se ter viciado no jogo ao tomar medicamento (PT)

Farmacêutica Eli Lilly também já foi processada nos EUA, Canadá e Austrália

14.01.2013 – Um tribunal holandês decidiu que um homem de 69 anos deve receber 452 mil euros de indemnização por se ter tornado viciado no jogo depois de tomar um medicamento para a doença de Parkinson.

O homem, que mora em Roterdão, alegou que foi o facto de ter participado em testes com o medicamento Permax no final dos anos 90 que o fez ficar viciado em jogo, um comportamento que o fez perder a mulher e o filho.

Por isso, reclama da farmacêutica norte-americana Eli Lilly uma compensação de 452 mil euros.

Na sua deliberação, o tribunal de Utrecht, citado pela publicação online Dutchnews, considerou que não há provas de que o homem tivesse compulsão para o jogo antes de tomar o Permax.

Em 2005, a Eli Lilly admitiu que algumas pessoas que tinham tomado o medicamento relataram um aumento na libido e o vício do jogo, o que levou as autoridades holandesas a incluir essa compulsão, também conhecida como ludotapia, na lista dos efeitos secundários do fármaco.

A empresa farmacêutica alega, no entanto, que antes de 2005 não existiam provas científicas de ludopatia como efeito secundário do Permax e anunciou que vai recorrer da decisão, argumentando que não há relação entre o fármaco e o vício do jogo.

Nos Estados Unidos, Canadá e Austrália já houve processos em tribunal contra a Eli Lilly devido a efeitos secundários do Permax, que foi entretanto retirado do mercado.

Fonte: Correio da Manhã

                                                                                                                         

OBSERVATÓRIO

.

.

JOGO EXCESSIVO

Em boa hora enviámos para a Comissão Europeia o entendimento que norteia o nosso trabalho desde 2004

Entendemos que  devem  ser elaborados  estudos em  prestigiadas  universidades, em  cooperação com operadores e reguladores, recorrendo às bases de registos dos jogos na internet para estudar com precisão os comportamentos e os hábitos dos jogadores. Os resultados destes estudos podem proporcionar uma base empírica à  comunidade científica  internacional na área  da investigação em comportamentos de dependência 

Entendemos que devem ser lançadas campanhas maciças de educação, através de diversos canais de comunicação, com o objectivo de  chegar efectivamente a toda a população, de maneira que esta possa perceber que existe uma verdadeira politica europeia em relação ao jogo e que as condições para um exercício responsável da actividade estão dadas   

Sublinhamos a necessidade de criar observatórios do jogo que alertem e informem os consumidores sobre as práticas de cada operador.  Estes observatórios poderão  ser um incentivo para a implementação de boas práticas nos seus sítios de jogo online. A diferenciação positiva. A transparência dos operadores poderá traduzir-se num capital de confiança junto dos jogadores.   

Entendemos que deverão ser criadas  redes de assistência para jogadores compulsivos, começando pelos centros que já estão a trabalhar no tratamento das adições. Esses centros deverão funcionar sobre uma plataforma tecnológica adequada que permita o intercâmbio de experiências, a actualização de conhecimentos e a colaboração mútua.

Problema de saúde pública

DESDE 2004
EDUCAÇÃO/PREVENÇÃO
O programa Jogo Responsável deverá contribuir para assegurar a protecção dos indivíduos, e da sociedade em geral, das consequências negativas do jogo e apostas a dinheiro e simultaneamente proteger o direito de quem pretende jogar.

 The Remote Gambling Observatory aggregates transparent and credible information on the licensed operators in the various jurisdictions of the European Union, monitoring their policies for responsible gambling by internationally recognized and scientifically validated standards.
Through the indicators  and dimensions of analysis that make up those standards, the Observatory allows an, independent and accurate, assessment of the operators, with regard to its security policies and consumer protectionin several domains.
On the way to a european gambling market regulation, the transparency and accuracy of responsible gambling data disclosed to the public, represents a clear contribution of licensed operators for a reliable gambling environment, reinforcing the consumers trust on the safety of their bets and the knowledge of a sector committed to quality products and with respect for their customers.
.

 O Observatório do Jogo Remoto agrega informação, transparente e credível, sobre os operadores licenciados nas diversas jurisdições da União Europeia, monitorizando as suas políticas de jogo responsável através de requisitos reconhecidos internacionalmente e validados cientificamente.

Através das dimensões de análise e indicadores que compõem aqueles requisitos, o Observatório permite efectuar uma avaliação, independente e rigorosa dos operadores, no que respeita às suas políticas de segurança e protecção dos consumidores nas mais variadas vertentes.

Num caminho para uma regulação europeia do mercado do jogo, a transparência e o rigor da informação prestada ao público no que concerne ao jogo responsável, representa um claro contributo dos operadores licenciados para um ambiente de jogo credível, reforçando a confiança dos consumidores na segurança das suas apostas e no conhecimento de um sector comprometido com a qualidade dos seus produtos e com o respeito pelos seus clientes.

Related Posts

Leave A Response